22 de Março de 2013

IPCA-15 recua em março, revela IBGE

O ?ndice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), uma prévia da inflação oficial, variou 0,49% em março, inferior à taxa de 0,68% de fevereiro, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

?

O ?ndice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), uma prévia da inflação oficial, variou 0,49% em março, inferior à taxa de 0,68% de fevereiro, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Já o IPCA-E (IPCA-15 acumulado nos meses de janeiro, fevereiro e março) foi de 2,06%, bem acima do resultado de igual período de 2012 (1,44%). Considerando os últimos 12 meses, o índice situou-se em 6,43%, também acima dos 12 meses anteriores (6,18%).

A forte redução dos efeitos da alta sazonal do grupo educação (de 5,49% em fevereiro para 0,50% em março) fez a taxa do IPCA-15 baixar de 0,68% para 0,49% de um mês para o outro.O grupo das despesas pessoais (de 1,15% em fevereiro para 0,51% em março) também perdeu força. Isso porque a variação nos preços dos cigarros passou de 5,70% de fevereiro para 0,03% em março. Já o item empregado doméstico se manteve em alta, com 1,53%.

Outros quatro grupos de produtos e serviços (alimentação e bebidas, artigos de residência, transportes e saúde e cuidados pessoais) também mostraram desaceleração na taxa de crescimento de preços.

Tanto os produtos alimentícios (de 1,74% em fevereiro para 1,40% em março) quanto os não alimentícios (de 0,35% para 0,20%) tiveram resultados inferiores àqueles registrados no mês anterior.O grupo alimentação e bebidas, que continuou mostrando aumento expressivo de 1,40%, apesar da desaceleração, deteve 0,34 ponto percentual do índice, ficando responsável por 69% dele. Vários produtos importantes na despesa das famílias ficaram mais caros, como o feijão carioca (11,68%), ovos (7,66%), farinha de trigo (6,33%), farinha de mandioca (5,72%), frutas (2,54%), macarrão (2,42%), frango (1,80%), e pão francês (1,77%), além da refeição fora (1,23%).

Mas o principal impacto individual no índice do mês veio do grupo transportes. Foi a gasolina, cujo preço do litro subiu 2,34%, que gerou impacto de 0,09 ponto percentual. Após a variação de 1,96% em fevereiro, totalizou 4,35% de aumento ao consumidor nos dois últimos meses, resultado do reajuste de 6,60% no preço do litro nas distribuidoras em vigor a partir do dia 30 de janeiro. Em março, ficou mais caro também o litro do etanol, com variação de 3,89%, assim como o óleo diesel, que subiu 3,16%. Mesmo assim o grupo transporte (de 0,46% para 0,32%) cedeu de fevereiro para março, influenciado pelas passagens aéreas, cuja queda chegou a 16,41%.

Artigos de residência (de 0,82% em fevereiro para 0,40% em março) e saúde e cuidados pessoais (de 0,78% para 0,42%) foram grupos que também apresentaram redução na taxa de crescimento de um mês para o outro.

Já o grupo habitação (de ???2,17% em fevereiro para ???0,70% em março) caiu menos de fevereiro para março. Isto porque o valor da conta de energia elétrica ficou 5,32% mais baixo em março, enquanto em fevereiro a queda chegou a 13,45%, o que significa que as contas ficaram 18,05% mais baratas nestes dois últimos meses como reflexo da redução de 18% no valor das tarifas em vigor a partir de 24 de janeiro.

Os grupos vestuário (de 0,01% em fevereiro para 0,48% em março) e comunicação (de 0,08% para 0,27%) também mostraram resultados acima daqueles registrados em março.

Dentre os índices regionais, o maior foi registrado em Fortaleza (0,87%), em razão, da alta de 2,18% nos preços dos alimentos. O menor foi o índice do Rio de Janeiro (0,25%).

(Redação ??? Agência IN)

Fonte: http://www.investimentosenoticias.com.br

Mais Notícias