26 de Setembro de 2013

Rendimento do trabalho reverte queda após seis meses

De acordo com a Pesquisa Mensal de Emprego (PME), divulgada hoje pelo IBGE, a taxa de desemprego atingiu 5,3% nas seis principais regiões metropolitanas do País em agosto, e se manteve estável em relação a agosto de 2012, registrando, porém, variação de -0,3 na comparação com julho.

 

De acordo com a Pesquisa Mensal de Emprego (PME), divulgada hoje pelo IBGE, a taxa de desemprego atingiu 5,3% nas seis principais regiões metropolitanas do País em agosto, e se manteve estável em relação a agosto de 2012, registrando, porém, variação de -0,3 na comparação com julho. A taxa de desemprego de agosto ficou 0,1 ponto percentual abaixo da previsão anterior feita pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), após a divulgação de pesquisa de julho.

O recuo do desemprego no mês se deu, principalmente, em função do aumento no contingente de trabalhadores empregados nos serviços de administração pública e sociais como saúde e educação (+4,4%) e nos outros serviços como alojamento, transporte, limpeza urbana e serviços pessoais (+3,6%). O rendimento real médio das pessoas ocupadas interrompeu uma sequência de cinco meses de quedas e cresceu 1,7% no mês por conta dos ganhos reais observados em Belo Horizonte (+2,8%) e em Recife (+1,9%). Setorialmente as altas mais importantes se deram na construção civil (+3,7%) e nos serviços financeiros, imobiliários e prestados às empresas (+2,7%).

Com as variações observadas na ocupação e nos rendimentos reais, a massa de rendimentos cresceu 2,5% no mês acumulando, nos últimos doze meses, +2,9%. Em um cenário de expansão de 2,4% para o PIB e de avanço de 6,0% no INPC em 2013, a expectativa da CNC é de a massa de rendimentos registre alta de 2,2%, projeção 0,3 ponto percentual acima da anterior. Para o restante do ano, espera-se que a taxa média de desemprego fique em 5,2%.

O comércio na PME: Porto Alegre (+5,7%) e Recife (+1,4%) foram os maiores responsáveis pela alta mensal de 0,2% na ocupação no comércio. Nos últimos doze meses, o setor registra avanço de 2,8% com taxa de desemprego em 3,5%. Em termos de rendimento na atividade comercial, já há perda real de -2,0% no período com o salário médio situando-se, atualmente, em R$1.481,20.

(Redação – Agência IN)

Fonte: http://www.investimentosenoticias.com.br/

Mais Notícias