17 de Agosto de 2012

Mantega desafia bancos privados a reduzir juros e ampliar crédito

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse agora a pouco em São Paulo que, se as instituições financeiras do setor privado não adotarem ?uma ação ousada? para oferecer mais crédito a juros cada vez menores, ?vão comer poeira dos bancos públicos?. O ministro participou hoje (17) na cidade de um encontro nacional de superintendentes do Banco do Brasil.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse agora a pouco em São Paulo que, se as instituições financeiras do setor privado não adotarem ?uma ação ousada? para oferecer mais crédito a juros cada vez menores, ?vão comer poeira dos bancos públicos?. O ministro participou hoje (17) na cidade de um encontro nacional de superintendentes do Banco do Brasil.

Segundo o ministro, não vai faltar dinheiro público para estimular as operações de crédito destinadas a consumo e capital de giro. Ele disse que só o Banco do Brasil injetou no mercado R$ 35 bilhões de crédito no segundo trimestre. Mantega ainda garantiu que tanto o BB quanto a Caixa Econômica Federal deverão continuar a aumentar o crédito para estimular o crescimento do país.

Mantega informou ainda que o governo pretende reforçar a política de desoneração fiscal com a previsão de abrir mão de um volume de R$ 45 bilhões em receitas, até o final do ano, equivalente a 1% do Produto Interno Bruto (PIB) ??? soma de todos os bens e serviços gerados no país. De outro lado, garantiu que haverá rigor na fiscalização sobre a contrapartida, que é a manutenção do emprego como fator de geração e de renda.

O ministro da Fazenda, no entanto, disse que o governo não se definiu sobre a prorrogação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para automóveis e eletrodomésticos da linha branca ??? benefício que se encerra no dia 31 de agosto. Mantega disse que a questão ainda está sendo avaliada.

A previsão do ministro é que a economia cresça 4% no quatro trimestre do ano. Na sua avaliação, com a tendência de continuidade na redução da taxa básica de juros, a Selic, o país deverá desestimular a entrada de capital especulativo e abrir espaço para o crescimento maior do capital para investimento direto.

Entre as novas modalidades de investimento no mercado de capitais, Mantega prevê estímulo aos investidores em debêntures ??? um tipo de títulos privado. ?Vamos ter um fluxo de capital externo principalmente em debêntures e outras aplicações que hoje estão perdendo dinheiro nos Estados Unidos e Europa. Aqui, as oportunidades são de conseguir taxas entre 6, 7 ou até 8%, o que não se encontra em lugar nenhum?. Informações da Agência Brasil.

(Redação - Agência IN)

Fonte: http://www.investimentosenoticias.com.br/

Mais Notícias