10 de Junho de 2015

Setor sucroalcooleiro é essencial para produzir energia limpa

Para o presidente da Associação dos Plantadores de Cana do Oeste do Estado de São Paulo e da região Centro-Sul do Brasil, Manoel Ortolan, o Brasil deixa passar a oportunidade de ter posição de destaque na produção de energia limpa,

Para o presidente da Associação dos Plantadores de Cana do Oeste do Estado de São Paulo e da região Centro-Sul do Brasil, Manoel Ortolan, o Brasil deixa passar a oportunidade de ter posição de destaque na produção de energia limpa, baseada na cana-de-açúcar e na biomassa. Ele ressaltou que líderes do G-7, cúpula dos chefes de Estado e de governo de Estados Unidos, Canadá, Japão, Alemanha, França, Reino Unido e Itália, anunciaram ontem a intenção de banir os combustíveis fósseis de seus países até 2100.

Manoel Ortolan, que participa neste momento de comissão geral no Plenário da Câmara, pediu ainda a disponibilização de linhas especiais de créditos para a recuperação o setor.

A diretora-presidente da União da Indústria de Cana de Açúcar (Unica), Elizabeth Farina, acredita que primeiro é preciso recuperar o setor para depois retomar o crescimento. “O setor pode alavancar o desenvolvimento econômico nas regiões onde está implantado e gera profundas perdas quando entra em crise”, observou.

Segundo ela, essa ação estratégica para o setor deve envolver a retomada dos impostos sobre combustíveis fósseis e a prioridade para o etanol e para a energia de biomassa na matriz energética, entre outras iniciativas. Ela lembrou que o Brasil já teve experiência bem sucedida na substituição dos combustíveis fósseis por energia limpa.

O presidente da Frente Parlamentar pela Valorização do Setor Sucroenergético, deputado Sergio Souza (PMDB-PB), também lamentou que o Brasil tenha deixado de lado o programa de etanol nos últimos quatro anos e ressaltou que ele precisa ser retomado. “O Brasil precisa apresentar solução para o clima e para o meio ambiente, e a solução está no nosso setor”, disse. “O setor garante para o País renda e qualidade de vida”, complementou o deputado Zé Silva (SD-MG).

Medidas positivas

O presidente do Fórum Nacional Sucroenergético, André Rocha, reconheceu que neste ano o governo tomou algumas medidas para minimizar a crise do setor, que começou em 2008. Entre elas, citou a volta da Cide para a gasolina, ainda que não nos mesmos índices pedidos pelo setor. Ele “pediu a recomposição da Cide para os valores históricos, que representavam quase 14%”. Além disso, salientou que o aumento da taxa de juros neste ano prejudicou o setor.

Os cidadãos também podem participar do debate no Plenário enviando perguntas e comentários pelo Disque-Câmara (0800 619 619) ou por meio de sala de bate-papo do portal e-Democracia. As informações são da Agência Câmara.

(Redação- Agência IN)

Fonte: http://www.investimentosenoticias.com.br/

Mais Notícias